Morre Octavio Frias de Oliveira

Do Diário do Comércio/SP

Frias de Oliveira: gosto pela inovação marcou trajetória de empresário.

O empresário Octavio Frias de Oliveira, publisher do Grupo Folha , morreu ontem à tarde, aos 94 anos, em São Paulo. Ele deixa a viúva, d. Dagmar Frias de Oliveira, e os filhos Maria Helena, Otavio, Maria Cristina e Luís Frias.

Em novembro do ano passado, após uma queda em casa, Frias foi submetido à uma cirurgia para remoção de hematoma craniano. Teve alta hospitalar no réveillon e estava se recuperando na casa da filha Maria Cristina.

As condições clínicas do empresário pioraram nas últimas semanas, que resultou em um quadro de insuficiência renal grave. Frias estava inconsciente há alguns dias. Ontem, às 15h25, ele morreu.

História

O empresário nasceu em 5 de agosto de 1912, na casa de uma avó, no Rio de Janeiro. Era o oitavo filho de Luiz Torres de Oliveira, juiz de direito em Queluz (SP), e Elvira Frias de Oliveira.

Depois de atuar no serviço público e nos ramos financeiro e imobiliário, em 1962 Frias adquiriu a Folha de S. Paulo , em sociedade com Carlos Caldeira Filho, de quem também era sócio na antiga rodoviária de São Paulo, na Praça Júlio Prestes. Em algumas décadas, saneou a empresa e a reorganizou em termos industriais, levando a Folha a se tornar um dos maiores e mais importantes jornais do País. Frias também fez da Folha a base do que é hoje um conglomerado que abrange o portal UOL, o jornal Agora , o Instituto Datafolha, a editora Publifolha, a gráfica Plural e o diário econômico Valor Econômico , em parceria com as Organizações Globo.

Em sua trajetória, alguns momentos foram marcantes para a história do País. Em 1983, o jornal Folha de S.Paulo participou ativamente da campanha Diretas Já. Um momento difícil na história recente da Folha foi a invasão da empresa por policiais federais durante o governo de Fernando Collor de Mello, em 1990.

Personalidade dinâmica, Frias continuava a receber visitantes, supervisionar as empresas e emendar pessoalmente os editoriais da Folha até ser hospitalizado em 2006. Inteligência objetiva, gosto pela inovação e informalidade no trato são aspectos pessoais destacados pelos que conviveram com Frias.

Burti

“O grande poder de Octavio Frias de Oliveira era sua simplicidade e humildade”, afirmou o presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Alencar Burti. Ele lembrou que Frias angariou amigos e conquistou o respeito “profundo” de todas as pessoas à sua volta, durante sua trajetória profissional. “Um homem que teve uma carreira de sucesso em todas as atividades que atuou”, completou Burti. Segundo ele, apesar de comandar um grande jornal, Frias “usou esse poder sempre com grande simplicidade e humildade.”

Afif

Para o secretário estadual do Emprego e Relações do Trabalho, Guilherme Afif Domingos, “Octavio Frias foi acima de tudo um vencedor e empreendedor, que nunca teve medo de enfrentar riscos.” Também lamentaram a morte de Frias os secretários da Assistência e Desenvolvimento Social, Rogério Amato, e o secretário municipal de Relações Internacionais, Alfredo Cotait Neto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s