Morre Jerry Falwell, líder da direita religiosa nos EUA

Rita Siza para o Público.PT

202177_JerryFalwellDRok.jpg

Falwell morreu no hospital após ter sido encontrado inanimado, devido a um ataque cardíaco

O fundador da Moral Majority da América, o reverendo Jerry Falwell, morreu ontem, aos 73 anos, vítima de um ataque cardíaco enquanto trabalhava no seu gabinete da Liberty University, a instituição de ensino que criou na sua cidade natal de Lynchburg, Virginia, para promover os ideais cristãos conservadores.

Considerado o líder da direita religiosa norte-americana, foi um influente tele-evangelista com um papel primordial na revolução conservadora que catapultou Ronald Reagan para o poder. A Moral Majority, fundada em 1979, notabilizou-se pelas controversas campanhas contra a pornografia, a homossexualidade ou o aborto. Falwell liderava ainda a Thomas Road Baptist Church, que começou há 50 anos com 35 membros, em uma destilaria abandonada e evoluiu para uma das mais fundamentalistas igrejas americanas, com mais de 22 mil membros.

Um dos mais famosos episódios relacionados com Falwell envolveu um processo que levantou contra o rei da pornografia Larry Flynt, em 1983, quando a revista “Hustler” publicou o título de capa “Jerry Fallwell fala sobre a sua primeira vez”. O tele-evangelista conservador não gostou do artigo, onde a “Hustler” parodiava um Falwell embriagado a ter uma relação sexual com a sua mãe

O processo prolongou-se por vários anos e percorreu várias instâncias judiciais, até que, em 1988, o Supremo Tribunal de Justiça decidiu a favor de Flynt, salvaguardando a primeira emenda norte-americana e o direito à liberdade de expressão. Este episódio deu origem ao filme “The People vs. Larry Flint”, de 1996, realizado por Milos Forman, com Woody Harrelson, Courtney Love e Edward Norton.

“Este foi o ponto mais marcante da minha relação com Falwell e a razão pela qual podemos ouvir o que ouvimos hoje nos media”, disse Larry Flynt ao site AccessHollywood.com. Apesar de reconhecer que foi arqui-inimigo de Falwell durante 15 anos, Flynt acabou por ter uma relação de amizade com aquela figura conservadora.

“A minha mãe sempre me ensinou que, por mais ódio que tenhamos por alguém, acabamos sempre por encontrar algo de que gostamos nessa pessoa quando a conhecemos olhos nos olhos”, acrescentou Flynt. Os dois velhos inimigos foram entrevistados em conjunto por Larry King, na CNN, em 1997.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s