Igrejas ortodoxas russas unidas após 80 anos

Bernardo Suárez Indart-Moscou(EFE).-

Os ortodoxos russos puseram fim a 80 anos de divisão com a assinatura hoje da ata canônica de relações entre o Patriarcado de Moscou e a Igreja Ortodoxa Russa no Exterior, fundada por sacerdotes e fiéis que fugiram da Rússia após a revolução bolchevique de 1917. 

O documento foi assinado pelo patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Aleixo II, e o primeiro hierarca da Igreja Ortodoxa Russa no Exterior, o metropolita Lauro, em cerimônia realizada na Catedral de Cristo Salvador, com a presença do presidente russo, Vladímir Putin, e de outras altas autoridades do país.

“A alegria ilumina nossos corações. Ocorreu um acontecimento histórico que esperamos a longos anos. A unidade da Igreja Russa foi recuperada. Foram superadas as divisões eclesiásticas e o confronto social herdados dos tempos da revolução”, disse Aleixo II.”Quando se fortalece a Igreja, renasce também nossa pátria”, acrescentou o patriarca.

Após assinar a ata, Alexei II e o metropolita Lauro se beijaram três vezes e, depois, o primeiro hierarca da Igreja Russa no Exterior beijou a mão do Patriarca de Moscou e de toda a Rússia em sinal de reconhecimento de sua maior hierarquia.

A divisão dos ortodoxos russos aconteceu em 1927, dez anos depois da revolução bolchevique, quando a Igreja Ortodoxa no Exterior rompeu com o Patriarcado de Moscou, que tinha assinado uma declaração de lealdade ao regime soviético.

Com o fim da União Soviética, em 1991, foi obtido o acesso a alguns arquivos da KGB (Comitê Estatal de Segurança) e aumentaram as denúncias de que altos hierarcas da Igreja Ortodoxa Russa colaboraram com os serviços secretos.

Segundo o padre e ex-deputado Gleb Yakunin, que fez parte do movimento democrático que levou Boris Yeltsin ao poder em 1991, Aleixo II colaborou com a KGB.

“Hoje, após décadas de separação, pode-se afirmar com certeza: neste conflito político-eclesiástico não houve vencedores”, disse Putin em discurso na Catedral do Cristo Salvador. O chefe do Estado ressaltou que o renascimento da unidade da Igreja é “a condição mais importante para a recuperação da unidade do mundo russo, cujo pilar espiritual sempre foi a fé ortodoxa”.

“Na sociedade russa de hoje, que se baseia nos princípios democráticos da livre e aberta profissão das crenças religiosas, não há terreno para uma tragédia e um confronto que se esgotaram por si mesmos”, acrescentou.

Putin destacou que a assinatura da ata canônica na Catedral do Cristo Salvador é um “símbolo do renascimento e o florescimento da Igreja Ortodoxa Russa”.

A catedral, erguida no século XIX em sinal de gratidão pela vitória sobre Napoleão, foi dinamitada em 1931 por ordem das autoridades soviéticas, e reconstruída nos anos 1990.

Aleixo II convidou pessoalmente o chefe do Kremlin para comparecer à cerimônia de firma da ata e na ocasião destacou a “grande contribuição” de Putin para a reunificação da Igreja Ortodoxa Russa.

Segundo o documento, o Patriarcado de Moscou reconhece a autonomia da Igreja Ortodoxa Russa no Exterior em assuntos pastorais, administrativos, patrimoniais, mas “em unidade canônica com toda a Igreja Ortodoxa Russa”.

Agora, a Igreja no Exterior elegerá o primeiro hierarca de acordo com seu próprio regulamento, mas essa escolha deverá ser ratificada pelo patriarca e pelo Sínodo do Patriarcado de Moscou. EFE bsi pp/pa

Anúncios

2 comentários sobre “Igrejas ortodoxas russas unidas após 80 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s