A voz da favela

Extraído do PEbodycount (O Blog da Segurança Pública)

O depoimento a seguir é do vigilante Manoel Messias, nascido e criado no Bode, no bairro do Pina, Zona Sul do Recife, pertinho do mar. A repórter Ciara Carvalho ouviu o relato na semana passada.

“Não sou especialista em segurança pública. Sequer terminei o segundo grau. Voltei a estudar este ano, depois de muito tempo parado. Estudo numa escola pública, à noite, até as 22h, e depois assumo meu posto de vigilante, num prédio em Boa Viagem. Largo às 5h. Há seis anos, decidi dedicar minhas tardes para reunir os meninos da favela em torno do futebol. Juntamos uns 30.

Todos os dias, pego a garotada e vamos jogar bola nas quadras da Praia do Pina. É uma forma de dizer a eles que o esporte é melhor que as drogas. Sei que é uma iniciativa modesta. Temos apenas uma bola, que está quase rasgando. Nesses anos, tivemos derrotas. Já perdi vários meninos para o tráfico. Mas salvamos outros. Temos vitórias para contar.

Não acredito em nenhuma solução para a violência que não dê esperança para quem está com os pés na marginalidade. O que as pessoas querem é ter uma ocupação, um salário no fim do mês. Um dinheiro para que elas possam comprar o que precisam e desejam. Não é reduzindo a idade penal ou construindo novos presídios que a violência vai acabar. É dando dignidade.

Como falar em ser cidadão para um garoto que só come uma vez por dia? Que mora dentro do esgoto? Já deixamos de participar de torneios, porque alguns meninos não tinham sapato. O que leva esses jovens para a criminalidade são os olhos. É a cobiça. É o desejo de ter um celular com câmera digital, um relógio de marca, um tênis da Nike. No mundo onde não se tem nada, essas coisas valem mais do que a vida. A gente precisa começar a responder a pergunta ‘Por que isso está acontecendo? Para quem estamos perdendo essa guerra?’

As autoridades precisam parar para escutar o que a favela está falando. Não é criar um programa que dá cesta básica. O que a gente quer é poder fazer nossas escolhas. É isso que faz das pessoas um cidadão. Dignidade é dar esporte, lazer e trabalho. O governo devia entender que ele não ia perder nada com isso. Ensinar a esses meninos uma profissão, dar a eles uma chance de emprego, uma oportunidade que não seja a das ruas, tiraria a favela da marginalidade que ela vive hoje. Mas, como isso dá mais trabalho, as autoridades preferem fechar os olhos e virar as costas para essa ferida.”

Technorati tags: , , ,

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s