Anistia Internacional denucia censura à Internet

AnsaLatina

amnesty_international_candle

A Anistia Internacional (AI) denunciou hoje a crescente censura na Internet e acusou as companhias internacionais como Google, Microsoft e Yahoo de serem “cúmplices” do problema.

“A Internet poderá mudar sem que ao menos sejam tomadas as medidas contra a erosão das liberdades online”, destacou a ONG britânica com sede em Londres. Segundo a AI, que publicou seu comunicado durante uma conferência sobre vítimas da repressão pela Internet, “o vírus da repressão online se expandiu de um punhado de países para uma dezena de governos”.
Além disso, acusou empresas como Google, Microsoft e Yahoo de serem cúmplices do problema. “Quando eram desafiadas pela censura da China, essas empresas apenas cumpriam a lei local”, completou.

Para a AI, a censura pela Internet “está aumentando”. “O modelo chinês de uma Internet que permite o crescimento econômico, mas não a liberdade de expressão, está crescendo em popularidade, de um punhado de países há cinco anos para uma dezena de governos na atualidade, que bloqueiam sites da Internet e proíbem os blogs”, declarou Tim Hancock, diretor de campanhas da Anistia Internacional.

“A menos que atuemos contra este problema, a Internet mudará e não será reconhecida nos próximos anos”, alertou. “Cada vez mais e mais governos estão se dando conta da utilidade de controlar o que as pessoas vêem na Internet e grandes companhias online, em uma tentativa de expandir seus mercados, estão avançando nessa direção”, completou.

De acordo com o relatório “Open Net Initiative” da AI, ao menos 25 países estão colocando filtros ou bloqueadores contra sites da Internet, entre eles Azerbaijão, Bahrein, Burma, Etiópia, Índia, Irã, Marrocos e Arábia Saudita.

Filtrar a informação é apenas “um aspecto da repressão na Internet”, já que se estão vendo “mais e mais fechamentos de sites por razões políticas”, e seus proprietários, ameaçados de prisão. A conferência da Anistia, intitulada “Some People Think the Internet is a Bad Thing: The Struggle for Freedom of Expression in Cyberspace” (algumas pessoas pensam que Internet é uma coisa ruim: a luta pela liberdade de expressão no cyberespaço) conta, entre seus participantes, com o fundador do site Wikipedia, Jimmy Wales.

O seminário foi convocado durante o primeiro aniversário do site da AI, http://irrepressible.info/ , que pretende atrair pessoas interessadas no futuro da Internet e nos desafios pela liberdade de expressão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s