Lucro com a agrofloresta

Por Lia Bock para o Blog do Planeta

agroflorestal1_zoom

Uma pesquisa recente realizado pela Fundação Heifer baseada nos Estados Unidos, mostra que a agrofloresta, um sistema que integra a mata nativa e o cultivo, pode dar bons lucros para o agricultor.

A agrofloresta é uma forma de mesclar os sistemas naturais da floresta com os conhecimentos técnicos que o homem adquiriu ao longo dos anos. Não se pode dizer que é a reconstrução da mata original porque ela inclui plantas de interesse econômico desde as primeiras fases, ou seja, alimentos para serem comercializados.

Também não se pode dizer que é uma horta porque é, de fato, uma floresta. Em inglês agrofloresta é food forest, simplesmente: floresta de alimentos. Isso porque a idéia é ter colheitas sucessivas de diversos produtos para geração de renda ao mesmo tempo que a floresta vai sendo formada. Tudo, teoricamente, em equilíbrio.

Na pesquisa, foram analisadas produções familiares tradicionais (praticada por famílias com limitado acesso aos benefícios das políticas públicas e com baixa utilização de insumos externos), convencionais (dependente de recursos e insumos externos), orgânicas (expressão da agroecologia) e em agroflorestas.

Os dados são impressionantes. Em valores absolutos os números da agricultura convencional e orgânica são bem maiores e impressionam, mas os gastos também o são. O custo com tecnologias e insumos, como pesticidas e máquinas, na técnica convencional é de 77% do valor bruto da produção. Ou seja, ganha-se muito, mas gasta-se demais também. Na produção orgânica esses gastos representam 27% do valor total recebido. No sistema tradicional esse número cai para 18% Já na agrofloresta o custo é de apenas 12%.

Participaram da pesquisas famílias de agricultores do sul do país que já produziam em diferentes sistemas (agricultura convencional, agricultura orgânica, agricultura tradicional e sistema de agrofloresta). Cada uma manteve sua produção usual para que a analise fosse baseada em fatos reais. A área usada para comparação foi a de um “tamanho possível de ser manejada por uma pessoa adulta em período integral”.

Os números são impressionantes. A renda final, ou seja, o lucro ficou em R$1.677 na agricultura tradicional. Na lavoura convencional, não houve excedente e o agricultor ainda ficou devendo R$1.539. No sistema orgânico, o lucro foi de R$3.240. Na agrofloresta, de R$4.941. Aqui é preciso levar em conta também a diferença do valor de mercado das produções, já que o produto orgânico é vendido a um preço mais alto.

“A agrofloresta representa a ruptura técnico-econômica com a equação negativa entre preços e custos presente na agricultura convencional”, afirma Gilmar Zolet Vieira, consultor de agroecologia e desenvolvimento rural sustentável do Rio Grande do Sul que coordenou a pesquisa. “O caminho seguido por esse padrão de agricultura aponta uma perspectiva de autonomia e soberania”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s