Para a Xandros, Linux não viola patentes da Microsoft

Da Computerworld

inst1017

Presidente de distribuição de Linux nega que acordo fechado com a gigante de software tenha relação com a questão de patentes.O CEO da Xandros, Andreas Typaldos, ressaltou que não concorda que sua distribuição de Linux viola alguma patente da Microsoft e nem, tampouco, a gigante pediu o acordo assinado na última segunda pelas duas por este problema.

Typaldos, contudo, ressaltou que a resposta da comunidade foi: “você não deveria estar conversando com o demônio”. Ele disse à reportagem da NetworkWorld que, em momento algum, a Microsoft revelou quais seriam as 235 patentes que estariam sendo violadas pela comunidade Linux. “Nós não discutimos patentes e não acreditamos que o Linux viole alguma. Isto não existe para nós”, disse.

Os defensores de soluções de código aberto acreditam que esta é uma grande questão e que o acordo da Microsoft com a Xandros, além do pioneiro com a Novell, erode o licenciamento em código aberto, especialmente em questões de propriedade intelectual.

Para tanto, a Free Software Foundation está reescrevendo a licença pública GNU para, na versão 3.0, proibir esse tipo de acordo no futuro. Sobre isso, Typaldos afirma: “Nós não entramos em acordo que não achamos possível de lidar. Nós planejamos honrar tudo o que temos na GPLv2 e o que virá com a GPLv3. Quando você cria acordos, não pode prever o futuro, mas precisa estar confortável para lidar com o que virá”. Ele disse que não pode ser mais específico, pois a GPLv3 ainda não está completa. “[Nosso acordo] é um olhar para o futuro, licenciando certas tecnologias”, aponta Typaldos. Ele afirma que as tecnologias vão auxiliar a Xandros a integrar seu servidor baseado em Linux- e seu software de gerenciamento com os similares da Microsoft.

Typaldos reconhece, contudo, que os clientes podem ter dúvidas sobre a questão das patentes, o que poderia leva-los a buscar algum seguro. “O Linux diz que não infringe patentes, a Microsoft diz o contrário. Mas os clientes dizem ‘deixe eu comprar alguma garantia pois, se voar alguma fagulha, não quero estar no meio disso”.

A gênese do acordo com a Microsoft, defende, está na interoperabilidade e ‘proteções’ aos seus clientes em caso de qualquer demanda de infração de patentes da MS.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s