534/ Brasil e Cabo Verde com taxa de mortalidade infantil mais baixa

Do Notícias Lusófonas

Cabo Verde e Brasil são os países lusófonos que registraram a menor taxa de mortalidade infantil, segundo o relatório anual do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), hoje divulgado.

De acordo com o relatório “Situação da População Mundial 2007”, o Brasil é o país lusófono com a taxa mais baixa, tendo registrado 24 mortes em cada mil crianças nascidas. Cabo Verde muito próximo ao Brasil com 25 mortes em cada 1000 crianças nascidas é o único país dos PALOP – Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa – que fica abaixo da média africana (89 mortes).

Por seu lado, Angola é o país lusófono e de toda a África Austral que apresenta a taxa mais elevada, com 131 crianças mortas em cada mil. Guiné-Bissau surge depois com 112 mortes infantis, seguido de Moçambique (92) e Timor-Leste (82).

Estes números ficam muito aquém da média europeia, que se situa nas nove mortes em cada mil crianças. Cabo Verde é também o país que registra a maior esperança média de vida, que se traduz em 68,1 anos para os homens e 74,3 anos para as mulheres. No Brasil, os homens têm uma esperança média de vida de 68 anos e as mulheres de 75,6. Timor-Leste surge em terceiro lugar da tabela com 56,4 anos para os homens e 58,6 para as mulheres, seguido da Guiné-Bissau (44,1 e 46,7), Moçambique (41,5 e 41,9) e Angola (40,3 e 43,2).

No que se refere à taxa de incidência do HIV, Moçambique é destaque negativo com 13% dos homens e 19,2% das mulheres infectados. Guiné-Bissau é o segundo país lusófono mais afetado, com 3,1% dos homens e 4,5% das mulheres com HIV, seguido de Angola (3% e 4,4% respectivamente). Contudo, lembram as organizações internacionais, como a ONU/SIDA, que Angola saiu há pouco tempo de uma guerra civil, pelo que as estatísticas estão longe da realidade. O Brasil é o país lusófono com menor grau de incidência do HIV, com 0,7% dos homens e 0,4% das mulheres infectados. O relatório da FNUAP não apresenta dados sobre a taxa de incidência do HIV em Timor-Leste e Cabo Verde.

Nos gastos públicos destes países com a saúde, o relatório revela que Timor-Leste foi o que mais investiu, dotando 7,3% do Produto Interno Bruto (PIB). O Brasil gastou 3,4% do PIB na saúde, seguido de Moçambique (2,9%), da Guiné-Bissau (2,6%) e de Angola (2,4%). O relatório não revela quais os gastos públicos com a saúde em Cabo Verde.

Num documento dedicado ao crescimento urbano, a FNUAP revela que Brasil (85%), Cabo-Verde (58,8%) e Angola (55%) são os únicos países lusófonos com mais de metade da população vivendo em meios urbanos. Em Moçambique, 36% da população é urbana, na Guiné-Bissau é 30% e em Timor-Leste 27%.

Quanto ao crescimento da população, a FNUAP estima que o Brasil passe dos 191,3 milhões de pessoas em 2007 para 253,1 milhões em 2050. Angola, que conta atualmente com 16,9 milhões de pessoas, irá ter 43,5 milhões em 2050, enquanto Moçambique passará dos atuais 20,5 milhões de habitantes para os 37,6 milhões. A Guiné-Bissau vai passar dos 1,7 milhões para 5,3 milhões, Timor-Leste dos 1,1 milhões para os 3,3 milhões e Cabo-Verde dos 530 mil para um milhão.

A situação em São Tomé e Príncipe não foi analisada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s