582/ Senhor dos vinhos

Fernanda Thedim para VejaRio

Fabrizio Fasano abre enoteca sofisticada em São Conrado

Selmy Yassuda

fasano1

Fasano no Fashion Mall: inquieto, detalhista e agora habitué da ponte aérea

Como quem se prepara para uma grande estréia, o empresário Fabrizio Fasano, patriarca da mais famosa grife da gastronomia brasileira, acerta os últimos detalhes para a inauguração da Enoteca Fasano à beira-mar.

A filial carioca da sofisticada loja paulista de vinhos abre na quinta (5) no Shopping Fashion Mall, em São Conrado, com 3 500 garrafas no mostruário. São 400 rótulos vindos de regiões produtoras da Europa e da América do Sul, a preços entre 30 e 3 000 reais.

Inquieto e detalhista, ele dá uma olhada ao redor e não gosta do tom do couro das cadeiras. Manda trocar. Pergunta quem encomendou o refrigerador. Liga para pedir mais uma geladeira. Reclama quando tem de parar e posar para a foto ao lado. “Não sei para que tanto retrato. Sempre escolhem o pior”, resmunga. A aparente rabugice não dura muito. “Mande uma para os classificados e publique com o título ‘Procura-se uma namorada'”, brinca o elegante senhor italiano de 71 anos, cabelo prateado impecavelmente penteado, separado da mãe de seus três filhos – Fabrizio Junior, Rogério e Andrea – e atualmente solteiro, livre e solto.

Ao lado de Rogério, Fabrizio Fasano comanda a corporação da família no eixo Rio–São Paulo. Diariamente, visita os restaurantes do grupo. Suas refeições, incluindo o café-da-manhã, são feitas fora do apartamento em que mora sozinho. “E de vez em quando vou conferir o que a concorrência está fazendo”, conta o eclético gourmet, apreciador de ingredientes e pratos tão díspares quanto trufa branca e dobradinha.

Sua perdição são as massas, evitadas por causa da dieta que ele garante seguir à risca. “Sou capaz de engordar 1 quilo num dia”, diz, enquanto pede ao maître Atagerdes Alves para repetir o carpaccio, antepasto servido antes de uma seqüência com seis novos pratos que experimentou no Gero carioca. Para acompanhar o percurso, taças de prosecco e um chianti.

Mario Rodrigues

fasano2

A Enoteca em São Paulo: a decoração será reproduzida no Rio

O milanês Fabrizio mergulhou no mundo da gastronomia em 1958. Ao voltar ao Brasil depois de estudar administração numa universidade americana, foi trabalhar com o pai, Ruggero, no Jardim de Inverno Fasano, que funcionava na Avenida Paulista.

Primeiro ficou responsável pela confeitaria. Logo o pai o incumbiu de gerenciar o andar de cima, onde jantares dançantes que chegaram a ser animados por estrelas do porte de Nat King Cole, Sammy Davis Jr. e Marlene Dietrich reuniam até 1 000 pessoas a cada noite – entre elas, personalidades como o presidente americano Dwight Eisenhower e o ditador cubano Fidel Castro.

Ao filho, Ruggero deu um conselho: não ficar perto das mesas. “Os homens têm ciúme de suas amantes”, explicou. O pai tinha um método para identificá-las: “Ele dizia para eu observar os pedidos. Começavam com coquetel de camarão, depois estrogonofe acompanhado de vinho Mateus Rosé, seguido por crepe suzette e licor de menta. Ele estava certo. Nunca tive problemas com os clientes nessa área”.

Em 1973, com a morte do pai, Fabrizio fechou o restaurante e investiu no mercado de bebidas. Ganhou dinheiro lançando o uísque Old Eight, sucesso instantâneo que ele mesmo vendia a restaurantes, bares e casas noturnas de São Paulo. “Naquela época as pessoas jantavam bebendo uísque”, lembra.

Alguns anos depois, decidiu fabricar um vinho branco adocicado, do tipo alemão. Virou outra febre. “Chegamos a vender 12 milhões de garrafas por ano”, conta. Fabrizio defende a teoria de que a vocação para restaurateur passou de avô para neto. De fato, foi a insistência do filho Rogério que o fez reabrir o Fasano em 1982, numa versão menor, porém mais requintada, e mais tarde o impecável restaurante da região paulistana dos Jardins que atualmente funciona no hotel inaugurado pelo clã em 2003.

A volta ao ramo de bebidas aconteceu em 1999, com a intenção de abastecer as adegas dos restaurantes do grupo e diminuir o custo dos vinhos servidos. Atualmente o negócio movimenta 1 milhão de reais por mês.

O projeto carioca marca o início da expansão da Enoteca Fasano – outras serão abertas em Ribeirão Preto e Brasília em sistema de franquia. Montada nos moldes da matriz paulistana, a versão carioca também promoverá cursos e palestras com nomes badalados da área, como os sommeliers do grupo Manoel Beato e Gianni Tartari.

Com a chegada ao Rio da menina-dos-olhos de Fabrizio, a ponte aérea ganha um habitué. E os apreciadores de tintos, brancos e espumantes terão uma nova opção na cidade para bebê-los.

Dicas de um apreciador

O patriarca do clã Fasano indica seis vinhos que ele mesmo importa e bebe

fasano4

Anúncios

2 comentários sobre “582/ Senhor dos vinhos

  1. ja agora e porque nao pensa em plantar uma pequena vinha com grandes castas internacionais tintas e brancas ,nao sei qual o tipo de clima ai nessa zona e tipo de terra ,mas tenho uns amigos portugueses que estao ai a fazer grandes vinhos se nao me engano uma das marcas chama se rio sol se precisar de ajuda nesta area pois e a minha . todo o acompanhamento desde a vinha passando pela fermentaçao e aqui a parte mais melindrosa pois devido as temperaturas nesse pais obrigado cont 918991538

  2. bom dia ,e vinho do porto ainda nao pensou em ter , bem eu possuo cerca de 3000 garrafas das mais variadas marcas que pretendo vender se estiver interessado cont 918991538

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s