695/ Após 22 anos Washington Novaes volta ao Xingu e vê ‘terra mágica’ ameaçada

Por Maria Pia Palermo para a Reuters

deb_washington

PARQUE DO XINGU, Mato Grosso (Reuters) – A volta de Washington Novaes ao cenário ‘mágico’ do Xingu marcou um encontro com aldeias ameaçadas pela devastação ambiental e pelo contato cada vez maior com as cidades da região. Para o jornalista, que retorna ao local duas décadas depois de registrar num documentário a vida dos índios, o Parque Indígena do Xingu é hoje uma ilha cercada pelo avanço da soja, pecuária, madeireiras e estradas: uma terra ameaçada.

Depois de ter filmado há 22 anos ‘Xingu, a Terra Mágica’, o retorno a aldeias resultou numa nova série, a ser exibida a partir de domingo pela TV Cultura, que ele batizou de ‘Xingu, a Terra Ameaçada’.

‘Cada vez que eu venho aqui eu fico com o coração apertado, de ver o agravamento da questão dos conflitos. E não por acaso eu escolhi o nome da série, porque é ameaçado de fora para dentro’, disse Novaes, 73 anos, referindo-se ao parque que reúne uma população de cerca de 5 mil habitantes, de 14 etnias, em aproximadamente 27 mil quilômetros quadrados no Mato Grosso.

‘Naquela época o meu olhar era um olhar maravilhado, encantado com esse mundo. E hoje eu sou uma pessoa de coração apertado. Chego, olho, vejo o que está acontecendo e fico com o coração apertado’, insistiu Novaes, que fez o lançamento da nova série que dirigiu na noite do dia 21, numa dessas aldeias, a dos kuikuro.

Em um telão instalado no centro da aldeia e sob um céu estrelado, os habitantes locais e convidados de outras etnias puderam ver, e alguns se ver, no documentário. A sessão teve ainda a apresentação de filmes feitos por cineastas indígenas, fruto de uma parceria do Vídeo nas Aldeias com a Associação Indígena Kuikuro do Alto Xingu (Aikax).

No novo trabalho, Novaes retrata as mudanças pelas quais passaram os cinco grupos indígenas: kuikuro, metuktire, panará, yawalapiti e waurá — visitados nas gravações da série original, que foi ao ar em 1985.

A retomada do trabalho, segundo Novaes, é um esforço para comparar esses dois tempos, ‘pelo olhar de uma pessoas que tem uma profunda admiração por essas culturas, que está preocupada com elas e quer retratar essa situação’.

Os habitantes do parque têm vivenciado a devastação ambiental à sua volta, que acaba refletindo-se dentro do parque.

Para André Villas Boas, coordenador do programa Xingu do Instituto Socioambiental, o parque é um oásis numa região castigada pelo desmatamento. Ali se encontra a única área contínua de floresta, mas o processo perverso, de derrubada de árvores e poluição dos rios, que se observa fora, acaba tendo reflexos dentro dessa área protegida.

O plantio da soja tem avançado na região, muito valorizada pelas qualidades do solo e pelo clima bem definido que permite a programação do plantio.

JOVENS X TRADIÇÃO

Além disso, Novaes cita o aumento do acesso e contato com as cidades, e a invasão de ‘tecnologias dos brancos’, como as antenas parabólicas. Antes não havia contato por terra com o Xingu, só se chegava de avião ou de barco, e hoje há estradas que comunicam as aldeias com várias cidades.

Para algumas lideranças indígenas, esse contato tem despertado o interesse e mudado hábitos especialmente entre os mais jovens, que aspiram ter uma vida como a dos brancos, deixando suas tradições para trás.

A queixa dos mais velhos de que em praticamente todas as aldeias os jovens não querem mais ser pajé, cujo caminho do aprendizado é longo e cheio de sacrifício, é aos olhos dos índios uma conseqüência desse contato entre os dois mundos.

‘O pajé é um ponto central da visão de mundo deles. Aqui o mundo espiritual está presente 24 horas por dia’, disse Novaes, lembrando que em 1984 os waurá tinham 13 pajés e hoje só têm 3 e não há nenhum jovem em formação.

‘Os jovens não querem assumir esse compromisso, porque querem viver de uma forma mais próxima da nossa cultura, usando nossas roupas, tênis, moto. Para ter isso, o jovem já esta passando por uma transformação. Não está se dedicando às tarefas tradicionais. Não está indo para a roça para plantar mandioca. Ele está fazendo artesanato para vender ao branco e ganhar dinheiro’, afirmou. ‘Então isso está levando a certos impasses.’

Para Novaes, a idéia que a sociedade branca no Brasil tem hoje sobre os índios ainda é uma idéia de um ser exótico, que anda pelado, que canta, que dança e não aprendeu ainda a ver nas culturas indígenas coisas admiráveis.

A programação sobre o Xingu começa neste domingo, às 18h, com um episódio que é uma síntese do que é o parque hoje, depois serão reapresentados dez capítulos de ‘A Terra Mágica’ e logo vão ao ar cinco programas da série ‘Xingu, a Terra Ameaçada’ gravados nas aldeias revisitadas.

Anúncios

5 comentários sobre “695/ Após 22 anos Washington Novaes volta ao Xingu e vê ‘terra mágica’ ameaçada

  1. Caros Amigos.

    Sou Paulistano e fotografo, agora estou em Luanda Angola, assisti esse documentario tão famoso e gostei muito, gostaria muito de saber como posso obter esses dvds para eu poder apresenta-lo as pessoas aqui em Luanda, meu colega estará de viagem a São Paulo em Agosto 2008 e gostaria de saber se ele pode adquir esse dvd.

    Obrigado

    Marcos Perallta

  2. Boa tarde! Eu também tenho interesse de adquirir os DVDs sobre o Xingu – o antigo e o novo. Trabalho com pesquisa sobre música indígena no RS e para vários fóruns de discussão regional eles seriam muito relevantes. Entrei em contato pelo site do documentário, mas não consegui completar a comunicação. Seria ótimo se este blog mediasse alguma informação sobre a comercialização do “Xingu”. Grata pela atenção,
    Marília.

  3. Tenho assistido a série de filmes sobre o Xingu na TV Educativa. Gostaria de saber se é possivel obter DVD com esses filmes. Nosso intento é tê-lo disponivel para apresentações na Reserva Volta Velha de Itapoá/Sc, onde desenvolvemos programação de educação ambiental e nos utilizamos da cultura indígena para a conexão homem/natureza. A RPPN- Reserva Volta Velha é gerida pela ADEA – Associação de Defesa e Educação Ambiental, da qual sou Presidente. Para melhor informação sobre nossas atividades, favor consultar o site http://www.reservavoltavelha.com.br.
    Atenciosamente,
    Werney Serafini.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s