766/ Astrônomos localizam o maior planeta fora do sistema solar

Do CinformOnline

Uma equipe internacional de astrônomos anunciou a descoberta do maior planeta conhecido até hoje, fora do sistema solar. O planeta “em trânsito” – significando um planeta que passa em frente à sua estrela-mãe – é cerca de 70% maior que Júpiter, o maior planeta de nosso sistema solar. Mas o novo corpo celeste tem uma massa bem menor do que Júpiter, fazendo com que sua densidade seja extremamente baixa. Detalhes do trabalho de pesquisa serão publicados na revista especializada Astrophysical Journal.

O novo exoplaneta (como são definidos os planetas que não fazem parte de nosso sistema solar), chamado de TrES-4, está localizado na constelação de Hércules e foi descoberto por uma equipe que trabalha no projeto de pesquisa Transatlantic Exoplanet Survey (TrES). O planeta TrES-4 orbita a estrela GSC02620-00648, que está a cerca de 1.435 anos-luz da Terra. Estando a apenas 7 milhões de km de sua estrela, o planeta também é muito quente, com temperatura média de cerca de 1,3 mil ºC.

Devido à baixa força gravitacional exercida pelo TrES-4 em sua atmosfera superior, parte da atmosfera provavelmente escapa, deixando um rastro parecido com o de um cometa. “O TrES-4 é o maior exoplaneta conhecido”, disse um dos autores da pesquisa, Georgi Mandushev, do Observatório Lowell, no Arizona, Estados Unidos. O planeta é tão grande que é difícil explicar seu tamanho usando os atuais modelos científicos para planetas gigantes superaquecidos.

“Continuamos sendo surpreendidos por como relativamente grandes estes planetas gigantes podem ser”, disse Francis O’Donovan, um estudante graduado em astronomia no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) que opera um dos telescópios do TrES. “Mas se pudermos explicar os tamanhos destes planetas inchados em seus ambientes hostis, isso poderá nos ajudar a entender melhor os planetas do nosso sistema solar e sua formação”, acrescentou.

Por definição um planeta transitório passa diretamente entre a Terra e sua estrela, bloqueando parte da luz da estrela e gerando uma pequena diminuição em seu brilho. “O TrES-4 bloqueia cerca de 1% da luz da estrela quando passa em frente a ela”, disse Mandushev. “Com nossos telescópios e técnicas de observação, podemos medir esta pequena gota no brilho da estrela e deduzir a presença de um planeta ali”, acrescentou.

O planeta TrES-4 faz uma revolução completa em volta de sua estrela-mãe a cada 3,55 dias, então um ano deste planeta é mais curto que uma semana na Terra. O projeto de pesquisa TrES é uma rede de telescópios no Arizona, Califórnia e Ilhas Canárias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s