951/ Os males físicos e mentais de trabalhar em excesso

Por Marcos Burghi para Catho Empregos

workaholic

A acirrada concorrência do mercado, aliada à pressão por resultados rápidos, faz com que muitos profissionais exagerem na dedicação ao trabalho, cumprindo longas e estressantes jornadas diárias.

Para os chamados workaholics (‘fanáticos’ por trabalho), a correria diária torna-se parte da vida, mas quando foge ao controle pode trazer graves problemas à saúde e à vida familiar.

De acordo com a médica Lys Rocha, professora de Medicina do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), o número de casos registrados pelo Ministério da Previdência Social como transtornos mentais relacionados ao trabalho saltou de 482, em 2000, para 3.701, em 2005 (pelos últimos dados disponíveis), aumento de cerca de 668%.

Na opinião da médica Maria Elenice Quelho Areias, supervisora do Departamento de Saúde Mental da Universidade de Campinas (Unicamp-SP), os workaholics sofrem do que ela chama de síndrome da pressa e podem desenvolver compulsão pelo trabalho.

Segundo ela, são pessoas que querem executar diversas tarefas ao mesmo tempo e, por isso, estão sempre apressadas; profissionais que medem seu sucesso por conquistas materiais, o que gera desgaste físico e emocional. Como conseqüência, observa a médica, podem desenvolver ou agravar hipertensão, são mais suscetíveis a problemas cardíacos, sem falar em ansiedade, insônia e dores musculares.

Há formas de controlar ou minimizar o problema, ensina Maria Elenice. A primeira é praticar atividade física, que produz substâncias que melhoram o sono, entre outras funções do organismo. Ela recomenda também uma alimentação rica em frutas e verduras, além de programas relaxantes, que dêem prazer, como leitura, jardinagem e afins.

Para Geraldo Posseidoro, psiquiatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a compulsão por trabalho é tão grave quanto qualquer outra, como por jogo, sexo ou drogas, mas é socialmente aceita, já que as pessoas não conseguem viver sem trabalho.

Iaci Rios, consultora de recursos humanos da DBM, empresa especializada em gestão, afirma que muitos profissionais confundem a compulsão pelo trabalho com trabalhar duro. Na visão dela, a diferença não está na carga de trabalho ou na função ocupada, mas nas características individuais. É preciso, diz, verificar em que medida o trabalho compromete a vida da pessoa e se assume os lugares que deveriam caber à família, ao lazer ou mesmo à reciclagem profissional.

Em outro nível estão pessoas que trabalham duro e muitas em funções com alta carga de estresse, mas nem por isso fazem do trabalho sua única razão de ser. Ela acredita que ser workaholic, ou pior, um trabalhador compulsivo, não garante melhores resultados, mas reconhece que poucas organizações perceberam o detalhe. “A maioria ainda valoriza a entrega do profissional”, afirma.

Segundo Iaci, uma maneira de o trabalhador voltar a ter controle sem dar sinais de perda da importância dentro da organização, é refletir sobre seu estado de ânimo. Caso esteja descontente, deve identificar o motivo da insatisfação e procurar resolvê-lo. Outra medida, opina, é fazer a relação entre o gasto de energia na realização de uma tarefa e o resultado obtido.

COMPULSIVOS QUE MUDARAM DE VIDA

Em dezembro de 2002, o executivo Leonel Costa, então com 39 anos, ouviu a conclusão do resultado de seu check-up e o que aconteceria se não levasse uma vida mais saudável, mas deu de ombros. Preferiu procurar outro médico porque achou que aquele exagerara. O fez e, depois de uma segunda análise dos índices presentes nos exames, escutou algo familiar: “Se você não fizer exercícios, vai morrer”.

Foi quando Costa decidiu mudar de vida. Diminuiu o horário de trabalho que, de segunda a sexta-feira, começava às 7h e terminava por volta das 22h, procurou orientações para reeducação alimentar e passou a praticar esportes.

Cinco anos depois e com novos hábitos, ele lembra daqueles tempos sem saudade. Era uma rotina estressante, recorda. “Certa vez, uma de minhas filhas perguntou a minha esposa por que eu não me mudava para o escritório, já que vivia mais lá que em casa”, diz. Hoje com 20 quilos a menos, diminuiu a jornada de trabalho, que vai das 9h às 19h, com intervalos regulares para refeição.

Outro que mudou a rotina é Felipe Assumpção. Aos 52 anos, o executivo se diz orgulhoso por administrar a própria vida. Trabalha cerca de cinco horas diárias, de segunda a quinta-feira, e três às sextas-feiras, quando por volta de meio-dia vai para uma propriedade que tem no interior de São Paulo. Além disso, joga tênis duas vezes por semana e freqüenta academia.

Embora reconheça que o conforto de hoje é resultado de esforços passados, quando trabalhava das 8h às 23h30 invariavelmente, Assumpção diz que entre 1988 e 2004, seu ritmo de trabalho trouxe problemas de saúde. Só úlceras foram três. “Estava sempre ligado, trabalhava até durante as férias”, conta.

Pai de quatro filhos, de 20, 17, e um casal de gêmeos com três anos e meio, fruto do segundo casamento, Assumpção diz que não viu os mais velhos crescerem. “Nunca fui a festas de escola ou coisas do tipo.”

MERCADO

O workaholic não vê limites para não parar de trabalhar: qualquer hora é hora, qualquer lugar pode servir e, no meio de tudo isso, saúde, relações familiares e sociais e qualidade de vida acabam prejudicadas.

A rotina frenética de um fanático por trabalho muitas vezes leva a uma alimentação desequilibrada. Portanto, é preciso fazer uma reeducação nesse sentido.

Aliar a prática de exercícios a uma dieta balanceada ajuda. Especialistas concordam que a atividade física é uma das melhores formas de se combater a compulsão pelo trabalho. Porém, essa recomendação, isoladamente, pode não ser suficiente para recuperar a saúde de quem entrou nesse círculo vicioso.

O sono também é muito importante e deve ser respeitado para que o organismo reponha as energias perdidas durante a jornada profissional e reduza a ansiedade. O compulsivo por trabalho também deve aceitar que necessita de lazer e tem de aprender a dividir seu tempo com hobbies, por exemplo. De qualquer forma, o primeiro passo é estar consciente de que uma mudança de comportamento se faz necessária.

ATITUDE

O psicanalista Geraldo Posseidoro, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), afirma que para aquelas pessoas que não têm disposição de realizar atividades físicas ou não obtiverem resultado a partir delas, o melhor é procurar um especialista. Isso porque, segundo ele, não há comprovação de que a compulsão possa ser ao menos amenizada a partir da iniciativa do próprio workaholic.

Em muitos casos, uma terapia pode auxiliar o compulsivo a abandonar padrões de comportamento prejudiciais e adotar atitudes mais positivas no dia-a-dia. Com uma vida mais equilibrada, até a tão desejada produtividade do trabalhador compulsivo pode ser melhorada.

TESTE: VOCÊ É UM WORKAHOLIC?

Você tem dificuldade de relaxar ou repousar no seu tempo livre e evita tirar férias?

Faz muitas coisas ao mesmo tempo e marca o maior número de compromissos no menor espaço de tempo possível?

Releva a vida pessoal e familiar em prol do trabalho?

É agressivo ou muito competitivo no trabalho?

Trabalha ou lê quando come, ou antes de dormir?

Tem dificuldade em estabelecer limites de horários para trabalhar?

Teme a aposentadoria?

Sente-se culpado quando relaxa ou não trabalha?

Se você respondeu “sim” em pelo menos três questões, fique alerta: você está entrando no limite do workaholismo.

Caso a resposta tenha sido positiva para a maioria das questões (5), você apresenta as características de um workaholic. Cuidado: sua carreira e sua saúde podem estar em perigo. Procure aconselhamento com familiares, amigos e colegas de trabalho sobre o seu comportamento e a sua rotina. E não deixe de consultar um especialista.

_uacct = “UA-2543540-1”;
urchinTracker();

Anúncios

Um comentário sobre “951/ Os males físicos e mentais de trabalhar em excesso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s