990/ "Às barricadas!"

capitaohaddock3 Este é mais um artigo do nosso amigo colaborador Marco Ferrari, com a sua já característica agudeza.

O Blogvisão aproveita, para lembrar que está aberto ao recebimento de artigos, comentários, etc. A publicação ou não, é critério do Blogvisão, e está sujeita aos parâmetros que definimos para a linha editorial deste blog.

Importantíssimo lembrar que a publicação de qualquer material, não implica necessariamente na adesão, no todo ou em parte, ao seu conteúdo.

renan-calheiros-2

Renan Calheiros: Ele está rindo de todos nós!

 

“Às barricadas!”

marcoferrari

Por Marco Ferrari (premionacionaldeliteratura@ig.com.br)

Limitar-se a aceitar as conseqüências de um desastre porque a maioria o aguardava de forma inexorável sem correr às barricadas e montar-lhe resistência para obstar sua repetição, costuma trazer um efeito mais pernicioso ainda à sociedade posteriormente.

Assim, o luto anunciado que deveria aceitar a democracia pela determinação da bancada do Senado Federal que associada em bloco situacionista o forjou como se esperava, demanda, pelo contrário, uma conscientização e ação que (nos) lembre à Bastilha.

Às lágrimas de vergonha pela frustração dos homens que acompanharam a seção secreta que chegaram a acreditar na vergonha que poderia tomar conta da cara dos seus pares, como suas manifestações de desapontamento e repúdio que os abalaram imediatamente ao anúncio do veredicto de absolvição, determina que não está a correr nunca mais a opção de imaginar substituir o pão por brioches.

O grito “às barricadas” não se exclamará por aqueles que todos sabiam qual era a cor da camisa que vestiam e iriam vestir mancomunados, senão por aquele (s) que, covardes por se mimetizarem como numa contagem anterior por um equânime voto de consciência se abstiveram, chegando o patamar de sua desfaçatez alegar “incerteza tanto de culpabilidade como de inocência”.

“Às barricadas” é o levante contra o terror, contra o Armagedom que, à distância e entre os bastidores, manipulam (nos) como marionetes.

É o tempo em que as bengaladas nos alertam sobre suas inconseqüências.

É o tempo dos Santo André que ameaçam àqueles que não querem mais o lixo.

É o tempo de Campinas que ainda não se explicou.

É o tempo sem embargo, (alvíssaras!) de “Às barricadas!” que o Supremo Tribunal Federal está a nos indicar…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s