1020/ França poderá exigir teste de DNA de candidato a imigrante

Do Jornal O Povo

Os deputados franceses começaram a debater ontem um novo projeto de imigração que prevê exames de DNA para que um candidato estrangeiro ao visto comprove seu parentesco com um trabalhador imigrante já residente na França.

A proposta é a mais controvertida no projeto apresentado à Assembléia Nacional, em Paris, pelo ministro da Imigração, Brice Hortefeux. Dois integrantes do governo a criticaram. Fadela Amara, secretária de Estado para Questões Urbanas, disse que a possível exigência de exame de DNA a faz "sentir-se ofendida na condição de filha de imigrantes". Sua família saiu da Argélia. O ministro das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, afirmou que a exigência "coloca em situação vergonhosa" os candidatos à imigração.

A proposta do teste genético não partiu do governo. Foi sugerida por um dos deputados da bancada governista, Thierry Mariani. Mas o ministro Hortefeux a encampou e disse que ela deveria ser adotada "de modo voluntário e progressivo".

O presidente Nicolas Sarkozy prometeu durante a campanha presidencial deste ano incentivar a chegada de imigrantes altamente escolarizados, em detrimento daqueles com pouca qualificação profissional. É da comunidade de estrangeiros com baixa escolaridade que chega o grosso dos pedidos de imigração. Os imigrantes ilegais na França têm baixa qualificação profissional. Eles totalizam de 200 mil a 400 mil, segundo estimativas divergentes. Além de descartar a legalização coletiva desse grupo, Hortefeux disse que o governo pretende expulsar até dezembro contingente de 25 mil ilegais.

Previdência

Sarkozy declarou que sua próxima iniciativa na área da Previdência seria a reforma das chamadas aposentadorias especiais, que beneficiam 500 mil dos 27,8 milhões de trabalhadores locais.

São categorias que se aposentam com menor tempo de contribuição. Entre elas estão os ferroviários, metroviários parisienses, funcionários das estatais de gás e eletricidade, parlamentares e funcionários estáveis da Ópera de Paris e da Comédie Française.

Segundo Sarkozy, o atual sistema "não se sustenta financeiramente, desencoraja o trabalho e não assegura a igualdade de oportunidades". O ministro do Trabalho, Xavier Bertrand, abrirá em duas semanas diálogo com as centrais sindicais para impedir que o tema, extremamente sensível na França, seja estopim de greves parecidas com as de 1995, quando o governo tentou pela última vez mexer na questão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s