1032/ O temido Mal de Alzheimer

Miriam Gimenes do Diário do Grande ABC

hipocampocomMaldeAlzheimer

Hipocampo afetado pelo Mal de Alzheimer

Um mal que degenera o cérebro e elimina a independência do paciente. Temido pela maioria dos idosos, a doença de Alzheimer, que atinge hoje cerca de 1 milhão de pessoas no País, tende a fazer mais vítimas nos próximos anos.

Isso porque as vacinas contra a doença ainda estão em fase preliminar de estudo. Além disso, os especialistas apontam o aumento do número de idosos na população, devido ao aumento da expectativa de vida.

Por esta razão, é importante prevenir a patologia – cujo Dia Mundial é lembrado hoje sexta-feira (21) –, antes de aparecerem os sintomas. Embora indícios apontem que a causa seja hereditária, alguns mecanismos como exercícios físicos e mentais ajudam a, pelo menos, retardá-la.

O diretor científico da Abraz (Associação Brasileira de Alzheimer), neurologista Paulo Bertolucci, explica que o Alzheimer começa a se manifestar, em geral, a partir dos 65 anos. “Cerca de 80% dos pacientes ultrapassam esta idade. Somente em casos raros atinge mais novos”, diz.

Segundo o médico, quanto mais idoso for o paciente, maiores são as chances de a doença tomar forma. “Os neurotransmissores ficam mais frágeis e, sem exercitar o cérebro, torná-se mais suscetível à atrofia.”

O coordenador da ABN (Associação Brasileira de Neurologia), Paulo Caramelli, diz que as maiores vítimas da doença são as mulheres. “Devido à maior expectativa de vida.”

Aos primeiros sinais de perda de memória, acrescenta o profissional, o idoso tem de ser levado a um médico. “Muitos confundem a falta de lembranças com problemas da idade, mas quando isso começa a interferir no dia-a-dia, já é um recado do Alzheimer”, alerta.

Vale ressaltar que um diagnóstico preciso só pode ser feito após a morte, já que é necessário que se faça uma análise física do cérebro.

População

Dados do IBGE (Instituto Brasilerio de Geografia e Estatística) apontam que, em 2050, a expectativa de vida do brasileiro será de 81,3 anos e que o número de pessoas com Alzheimer aumentará cerca de cinco vezes.

Por conta das quedas da taxa de fecundidade e diminuição da mortalidade, o envelhecimento da população é irreversível. Este número, de acordo com a integrante do departamento de neurologia cognitiva da ABN, Sonia Brucki, indica que crescerá o número de idosos com o problema. “Assim, quanto antes saírem resultados mais efetivos para o tratamento do paciente, melhor.”

Por enquanto, acrescenta Bertolucci, a novidade prevista para o tratamento é um adesivo, com as mesmas propriedades de um dos medicamentos mais usados hoje pelos pacientes (Exelon).

O antídoto deverá ser colado no tronco da pessoa que manifestar o Alzheimer. “A vantagem é que dará para ver se o medicamento está sendo usado ou não”, explica. Além disso, trará menos efeitos colaterais que o ingerido oralmente.

Fique atento

ESTÁGIO INICIAL:
Compromete memória, raciocínio e linguagem.
Perda de motivação para atividades antes feitas com prazer.
Sinais de depressão e desmotivação com a vida.

ESTÁGIO INTERMEDIÁRIO:
Dificuldades em atividades antes desenvolvidas normalmente no dia-a-dia.
Esquecimento de fatos e ações recentes, além do nome de pessoas conhecidas.
Dificuldade em administrar a casa ou negócios. Esquece de pagar contas e compromissos.
Incapacidade de fazer a própria higiene pessoal.
Maior dificuldade para comunicação verbal: frases desconexas e incompletas.
Problemas de vagância (andar sem parar).
Oscilações constantes do humor e comportamento agitado e agressivo com familiares.
Delírio, depressão e desinibição exagerada.

ESTÁGIO AVANÇADO:
Dependência em todas as ações: se alimentar, vestir e locomover.
Incontinência urinária e fecal. A ida ao banheiro passa a ser feita apenas com a ajuda do cuidador.
Distúrbios de memória acentuados. Quase nada que se passa é lembrado pelo enfermo.
Não reconhece mais parentes, amigos ou objetos pessoais.
O aspecto físico da doença fica mais evidente.
Agressividade acentuada e agitação.

Objetivos do tratamento

– Melhorar a memória com exercícios, além de outras funções mentais.
– Controlar os transtornos de comportamento, como agressividade e depressão.
– Retardar a progressão da doença com medicamentos e exercícios mentais.
– Melhorar a qualidade de vida da pessoa doente, atendendo suas necessidades momentâneas.
– Melhorar a qualidade de vida dos familiares, oferecendo informações sobre como lidar com o paciente.
– Oferecer orientação aos cuidadores para auxiliar no tratamento em casa.

Historia da doença

O mal de Alzheimer é uma doença centenária. Foi em 1906 que o médico alemão Alois Alzheimer, após acompanhar os sintomas em uma paciente, Frau August, 51 anos, expôs sua descoberta no 37º Congresso do Sudoeste da Alemanha de Psiquiatria, para o mundo.

Sob o título "Sobre uma Enfermidade Específica do Córtex Cerebral", o doutor definiu o mal – que levou seu nome em homenagem – como uma patologia neurológica que causava demência e déficit de memória.

No histórico clínico da senhora August, o médico descreveu que ela já não era mais independente como antes. “Movimenta-se pouco e parece não se importar com comida, mas come com grande apetite quando a refeição é colocada em sua frente. Incapaz de fazer compras e até mesmo de fazer sua higiene.”

Pouco tempo depois, em 1915, o médico foi acometido por uma grave infecção cardíaca e faleceu, na cidade de Breslau, Alemanha.

Vítima – Nos últimos 100 anos, esta doença fez diversas vítimas no mundo. Entre os mais conhecidos, estão o ex-presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, que morreu aos 93 anos após décadas lutando contra o problema.

Além de Reagan, o jogador de futebol Leônidas Silva, o Diamante Negro, morto no início de 2005 em razão deste mal.

A atriz Rita Hayworth, a eterna Gilda, também enfrentou a doença na década de 60, mas só teve o diagnóstico certo em 1987, quando morreu.

Exercícios e prevenção

A cura para o mal de Alzheimer ainda é um sonho impossível. Mas a prevenção, no entanto, está ao alcance de todos. Os médicos recomendam ingerir alimentos pouco calóricos e ricos em vitaminas B, C e E, além de praticar exercícios físicos e mentais.

A professora de geriatria da Faculdade de Medicina ABC, Maria Cristina Passarelli, cita estudos que apontam a baixa escolaridade como um fator de risco para os idosos. “Tem de se treinar de alguma maneira as capacidades intelectuais. Por isso, quanto menos as trabalha, maior os riscos.”

A especialista explica que, com o passar da idade, existe a perda de neurônios que, se não forem repostos, podem desencadear o Alzheimer. “Com mais atividade cerebral, estabelece-se maior número de conexões cerebrais, o que forma uma espécie de reserva de neurônios.”

Saídas – Maria Cristina sugere que as pessoas com mais idade criem o hábito de fazer pequenos exercícios durante o dia como palavras cruzadas, jogar xadrez e jogo da memória. “Vale ressaltar que isso não cura a doença, mas ajuda a retardar a manifestação dela”, diz a profissional.

Uma boa caminhada, musculação e também atividades amenas como ioga e tai-chi-chuan também são boas opções para não se deparar com a doença, assim como procurar a ajuda de um especialista logo que aparecerem os primeiros sinais de perda de memória.

O papel do cuidador

O papel do cuidador no tratamento de um paciente com Alzheimer é fundamental para sua recuperação. Pensando nisso, a unidade da Abraz (Associação Brasileira de Alzheimer), em Santo André, disponibiliza cursos para formação dessas pessoas.

A representante da unidade, Danile Azevedo, diz que o principal objetivo dos encontros é informar os cuidadores sobre a doença. “Também fazer com que aceitem o diagnóstico, o que auxilia muito no tratamento.”

Outro fator importante colocado nos cursos é a importância da própria pessoa se cuidar, para ter um trabalho mais eficiente. Atenção com o corpo, a mente, alimentação e estresse são alguns pontos discutidos.

O diretor científico da Abraz, Paulo Bertolucci, diz que é primordial que o cuidador tenha em mente que manter a independência do paciente é determinante para ajudar no tratamento.

Encontros – Os grupos informativos são formados na terceira segunda-feira de cada mês e deles podem participar tanto os familiares quanto acompanhantes. Quinzenalmente, são feitas terapias comunitárias, nas quais todos se reúnem, inclusive os pacientes, para trocar experiências e dicas sobre a doença.

Para marcar o Dia Mundial da Doença de Alzheimer, no dia 29 será feito um encontro, no Parque Ipiranguinha, em Santo André, que discutirá a importância da vida. O evento terá oficina de arteterapia, Doutores da Alegria, entre outras atrações, e ocorrerá das 9h às 16h.

Abraz – rua dos Tamoios, 70, Santo André. Tel.: 4972-7155

20070710-idosos 

 

Dicas para o cuidador

Estabeleça rotinas, mas mantenha a normalidade nas atividades desempenhadas no dia-a-dia.

Incentive a independência: deixe o paciente fazer sozinho atividades rotineiras como se alimentar e tomar banho. Faça com ele e não por ele.

Ajude o portador a manter sua dignidade e evite discutir suas condições com outras pessoas, na presença dele.

Evite confrontos que podem ocasionar estresse e dificultar no tratamento do paciente.

Mantenha seu senso de humor, mas com cautela. Assim, o ajudará a controlar o estresse e ainda assim o respeitará.

Torne a casa segura para evitar quedas: tire objetos pontiagudos, tapetes que podem gerar tropeços, use móveis com pontas arredondadas etc.

Encoraje o exercício e a saúde física recomendados pelo médico para incentivar o desenvolvimento físico e mental.

Mantenha a comunicação: use palavras-chave para lembrar fatos do passado, fale pausadamente, demonstre carinho ao paciente e preste também atenção na linguagem corporal.

Use artifícios para exercitar a memória como: mostrar fotos antigas, colocar placas indicativas nos respectivos cômodos da casa e relembrar sempre o paciente de fatos importantes.

Depoimentos

“Aos 60 anos, meu marido, que era muito rígido com regras, começou a ultrapassar o sinal vermelho. Achei estranho e fomos ao médico. Ficamos cinco anos acreditando no diagnóstico do neurologista: esclerose múltipla. Após o período, veio a constatação do Alzheimer. Ele ainda viveu mais 15 anos e, durante este tempo, procurei retribuir todo amor que ele havia me dado. Rogério passou por fases difíceis, fugiu de casa, ficou agressivo, mas tive paciência e soube reverter a situação. Ele era minha vida. Se me perguntassem se eu casaria com ele de novo, mesmo passando por tudo isso, não pensaria duas vezes para dizer sim.”
Jeronima de Paula Basito, 61, dona-de-casa, de São Bernardo

“Faz apenas cinco meses que minha mãe faleceu. Me pegou de surpresa, porque já fazia 16 anos que ela tinha o Alzheimer. Ela começou desmanchando a costura que fazia, nada a satisfazia. No começo, ainda nos reconhecia. Depois, começou a falar com parentes que já tinham morrido. Mas cuidei dela até o fim e tenho orgulho de não tê-la deixado em hospitais, porque Deus me deu força para usar todo amor e carinho que ela me deu quando era criança. Ela se tornou meu bebê grande.”
Verônica David, 69, dona-de-casa, Santo André

“Perdi meu pai para o Alzheimer há quatro anos. Assim que ele faleceu, o neurologista recomendou que eu e minha irmã fôssemos fazer exame, já que a doença é hereditária. Na época não deu nada, mas fiquei com isso na cabeça. Agora, me interessei em saber mais os sintomas porque, caso alguém na família tenha, já sei como cuidar. Quando meu pai teve os primeiros sintomas, foi difícil para nós lidarmos com a doença, já que nunca havia ouvido falar nesse mal.”
Marilene Romero, 49, doméstica, São Bernardo

“Há um ano descobrimos que minha mãe, que tem 95 anos, tem a doença. Além disso ela também sofre de leucemia. Estamos tratando com um neurologista e, para ajudar no desempenho dela daqui pra frente, resolvi freqüentar palestras que explicam como cuidar de um paciente com Alzheimer. Saber sobre a doença, os avanços que pode ter, os sintomas, os estágios, vai ser essencial daqui para frente.”
Emma Maria Geiger, 73, dona-de-casa, Santo André

Anúncios

21 comentários sobre “1032/ O temido Mal de Alzheimer

  1. oi sou a vanusa de são paulo
    estou fazendo o tcc2 sobre toda a dificuldade da familia
    e o cuidador formal
    em lidar co messa doença.
    por favor preciso de depoimentos ,relatos ,fatos ,todo material será muito bem aproveitado pós tb estou buscando fora do país.
    meu telefone 11981847735
    meu email
    roberta-vanusa@yahoo.com.br
    obrigada por favor preciso dessematerial

  2. Gostaria de saber sobre o uso do excelon dos familiares destas pessoas que dão relatos quais os resultados apresentados pelos pacientes que fazem uso deste, não e mesmo uma resposta mais uma pergunta.

  3. Minha mae com 86 anos comecei a observar dificuldades em telefonar, me passar recados , saber os dias da semana com
    tido isso e mais algo levei aao geriatra foi diagnosticado que estava com o mal de alzheimer, isto aconteceu este ano 2012 precisamente a 8 meses,sinto muita dificuldade nao de cuidar mas com relacao a agressividade que a mesma apresenta, e muito triste a pessoa que vc tamto gosta esta com tantas dificuldades onde a mesma no dia dia trabalhava com artes,logo me pergunto com tanta ocupação que tinha, como se fala que quanto mais ocupar a mente melhor, aí fico com uma grande interrogação . Abraço a todos que estão na mesma situação que eu, mas de uma coisa sabemos que quando temos Deus nada e impossível ……

  4. Mais ou menos ha 4 anos minha mãe (83 anos) começou a apresentar os sintomas. A levei ao neurologista, que pediu um eletroencefalogramo. Contudo não deu nada de anormal no eletro. O médico receitou complexo B e piracetran. O remédio não fez mal algum para o estômago (ela tem gastrite). Senti que ela teve uma modesta melhora.

  5. cuido de uma i dosa de 91 anos ela tem essa doença a dez anos e e dificil cuidar dela mas o carinho qe os familiares tem por ela fazem toda a difereça ela ja esta no terceiro estagio e e muito dificil descobrir o qe ela qer mas vmos cuidando dela com todo carinho as pessoas qwe tem essa doença precisa muito do carinho das pessoas qe convivem com ela e os familiares tem qe ter muita passiencia porqe e muito dificil le dar com pessoas qe tem essa doença

  6. Minha mãe tem Alzheimer e com medicação e exercícios orais e escritos mantém ainda sua independência.Todos os dias fazemos duas horas de atividades que envolvem raioocínio, fatos de sua vida(nome de filhos,netos, local em que nasceu, dia, mês, ano, nome de parentes e conhecidos,exercícios p/ reconhecer maior, menor, igual, diferente, adivinhações, ditos populares,pintura, recorte, parlendas,preencher dados, situações problema com uma operação,noção de dobro, triplo, metade, dezena, dúzia, centena, reconhecimento de sucessores de um número, etc .Como minha mãe tem o ensino fundamental incompleto restrinjo-me a exercícios pertinentes a seu conhecimento.Com o trabalho acima exposto ela conseguiu melhorar seu desempenho no teste q a médica fez p/ saber o nível de comprometimento .No primeiro teste ela fez 9 pontos, o que é considerado moderado grave e no segundo fez 14 pontos.Acredito q os exercícios feitos diariamente tenham ajudado a conseguir um desempenho melhor.É um trabalho árduo mas gratificante ,pois percebemos a melhora , só não podemos esperar q a melhora ocorra em breve tempo, pois é uma trabalho de formiga.Minha mãe faz as alimenta-se sozinha, faz tb sua higiene pessoal, varre a casa, arruma a cozinha,penteia seu cabelo, troca de roupa sozinha.Ela tem 85 anos e doença começou a manifestar-se faz 5 anos.Espero q o q relatei possa ajudar alguém q como eu tem um ente querido com esta doença. Meu nome: Elita Tavares

  7. Acredito que minha mãe está desenvolvendo o mal, mas ela não apresenta muitos sinais. ela não lembra os dias e de fatos recentes (alguns). Sou Psicopedagoga e estou fazendo com ela algumas terapias. acho que no ínício, aplicando algumas técnicas podemos retardar os sintomas.
    Fazemos artezanato, pintura, modelagem, jogos… Mas acredito que devemos amar,cuidar e lembrar de todo carinho que ela nos dedicou. Nada mais justo de fazermos o mesmo e com certeza o Senhor Jesus nos ajudará…

  8. Trabalho com uma senhora 73 anos ,estou percebendo a doença,marido dela já me confirmou que realmente é,já estou na família há mais de 20 anos,cuidei da mãe dela até o fim,mais não era a doença,pai dela é que teve,estou aqui procurando saber mais sobre a doença,como me comportar diante do fato,como poder ajudá-la,tá ficando dificíl,mais tenho fé que vou conseguir,de certa forma fazem parte da minha família…

  9. Senhores eu tenho 51 anos e trabalho muito e estudo muito, e receio ser portatador desta doenca.Como posso ter certeza e o que fazer para retarda-lá?

    Abraços,

    Jose fernandes.

  10. foi diagnosticada em minha mae o mal de halsaime, para mim
    está sendo muito dificil conviver com essa doença,pois há momentos
    que se torna agressiva, não se lembra mais de mim, como sou
    sózinha, sem amparo psicologico, resolvi interna-la numa clinica.
    sabendo que isto sera melhor para ela, me sinto muito mal, com
    remorsos, sentindo que no momento que ela mais precisa, abandoneia.
    vou visita-la todos os finais de semana, mesmo assim me sinto mal

    pela atitude de interna-la, mas tenho certeza que será melhor para ela.

  11. Tenho minha mãe com 90 anos e com Mal de Alzheimer. Ela não gosta de tomar banho e lavar a cabeça. Fico muito irritada pois quero ajudá-la na sua higiene. Fico preocupada pois a falta de banho pode ocasionar outras doenças. O que fazer? Por favor, preciso de uma orientação. Desde já, agradeço.

  12. Olá
    minha avo tem azheimer, ela esta num estágio muito elevado, ela urina em seu quarto e diz ser goteira, não somente no quarto mais na lavanderia, e no banheiro as vezes faz na parte do box em vez de utilizar a privada, fora os momentos que ela se encontra calma e no mesmo tempo se irrita, passa ate duas noites sem dormir andando pela casa, gostaria de saber como posso ajuda-la se tem algum tratamento??
    e se pode tomar algummedicamento apenas para poder dormir??

    desde ja agradeço a att

  13. Meu Pai é portador de Azheimer a 4 anos . 3

    É muito triste ver ele se distanciando de tudo aos

    poucos pois o avanço de le esta mais lento.

    Gostaria de receber + informaçoes sobre cuidador

    para fazer com que a caminhada final dele seja

    tranquila e cheia de amor. Afinal ele sempre fez

    tudo para mim.

  14. Cuido de minha mãe;com a doença de ALZHEIMER, ela esta no começo da doença. e que digo para vcs. d, muito amor e carinho. tenha Fé.ELDER.DF

  15. Ola,
    estou fazendo minha monografia sobre alzheimer na fase secundaria, tem como voces me fornecerem algum material?

  16. boa noite
    minha mae tem problema de alzeimer ela não estar falando mais nem faz engiene pessoal mais o que eu posso fazer para ajudar mais ela sair dessa situação gostaria que o senhores mem desse uma explicação sobre essa doença essa doença deija os paciente sem fala e sem se locomover mais minha mae e recolhece tudo mais não fala ela fica enterada em tudo.
    por favor mim de uma explicação para eu enteder essa doença

    grato

    Francisco de jesus santos

  17. Minha tia que cuidou de mim desde criança e que respeitei sempre como se fosse minha mãe , apresentou sinais aos 70 anos e a doença avançou desmedidamente. Mas,cuidamos dela, eu e meus filhos,com todo carinho e as vezes existem até situações engraçadas. Na minha opinião o mais importante é que ela sempre se sinta querida,amada. O resto nós vamos levando como curso normal da vida de alguns. É triste, mas temos que conviver com a realidade da doença, sem fazê-la pior do que é.

  18. Notei que minha mãe depois que começou a tomar o Exelom, começou a babar constantemente e ficar com um pigarro na garganta como se algo a tivesse incomodando. É normal ?
    A propósito ela tem hipotiroidismo mas já faz tratamento antes do Alzheimer.

  19. minha mãe aos 60 anos começou a esquecer de tudo, fazer confusões. Descobri, então, que ela tem mal de alzheimer; Coloca panela na geladeira, diz que não encherga muito bem, mas o oftamologista disse que não é problema ocular. Se não toma os remédios fica agressiva, fala muito do passado, põe as roupas do avesso, bagunça o guardaroupa e não cozinha mais e nem consegue discar o telefone .Liga a TV, mas não sabe trocar de canal. Se tem de fazer algo sozinha , leva mais de uma hora para fazer. É duro convicer com isso. Não consegue desenhar um relógio, não consegue ver as horas, não sabe que dia que é.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s